5 meta-skills to supercharge every aspect of your life

Being a specialist used to be the way forward, but the future belongs to people who can adapt to any given scenario on a dime.

It used to be the case that learning a particular trade or skill meant you could land a reliable career. These days, however, constant learning is both expected and required to stay afloat. Rather than developing competency in, say, analysis or communication, modern life demands that we become more agile and able to shift on a dime towards the particular skills that challenges require.

That is why cultivating meta-skills is so important. Meta-skills are broad capabilities that help you to develop other skills and can be applied across a wide variety of domains. As more jobs become automated, possessing these skills will be more important than ever. 

Author Marty Neumeier makes the case for investing in five particular meta-skills in his book, Meta-skills: Five Talents for the Robotic Age: Feeling, Seeing, Dreaming, Making, and Learning.

1. FEELING

Just because the future of work lies in automation doesn’t mean that the human element will be taken out of the equation. Social intelligence is going to be an even more important skill than before — with technology outperforming our more analytical talents, individuals with more empathy and other uniquely human gifts are going to bring the most value to the table.

Feeling doesn’t just refer to interpersonal skills; it also covers qualities like intuition, or the ability to arrive at a conclusion without relying on conscious reasoning. The human mind wasn’t designed to do rigorous calculations. It was, however, designed to use heuristics to quickly arrive at likely solutions that serve us well enough most of the time. Learning to lean on this skill more will help you work with others and save time and effort when developing solutions.

2. SEEING

Computers are fantastic are addressing individual problems, but they don’t do so well at addressing the big picture. This meta-skill captures humanity’s ability to strategize, to understand how the whole can be greater than the sum of its parts, and to escape biases.

It’s certainly easier to simplify things done to dichotomies, but the real world is complicated and multi-dimensional. Becoming better at seeing things isn’t quite so easy and can challenge your beliefs, but doing so provides a more accurate representation of the world. In turn, seeing better provides better information to act on when navigating the modern world.

3. DREAMING

Innovation, creativity, generative talent — these skills will always be in high demand. Once rigorous, linear work is outsourced to machines, the less precise and more fanciful talents of the human mind will become the primary characteristic that employers look for.

The antithesis of this meta-skill is the idea that if it ain’t broke, don’t fix it. It’s true that being original and trying to innovate carries risk. Your innovation might fail, or it might make things worse, but nothing is going to be improved without taking that risk on. Settling for tried-and-true solutions also means settling for mediocrity.

4. MAKING

Neumeier characterizes this meta-skill as primarily being related to design and design thinking. “Design thinking is a generative approach to solving problems,” he says. “In other words, you create answers, you don’t find answers.”

Making overlaps with dreaming to a certain extent, but its key distinction lies in the prototyping and testing of generated solutions. Rather than seeking safety and assurance in pre-existing answers, talented makers are unafraid of the messy process of producing an original solution. It’s this ability to navigate uncertain scenarios and tolerate ambiguity that makes this such a valuable and powerful meta-skill.

5. LEARNING

Neumeier describes this as the “opposable thumb” of meta-skills. Learning how to learn enables you to improve every skill in your life. Gone are the days when a 4-year degree was all you needed to excel in the world. Nowadays, constant learning is a fact of life. This doesn’t have to be laborious — not only does learning lead to greater value, but learning itself can be an intrinsically rewarding activity.

Becoming better at this skill doesn’t mean that you have to learn a subject like mathematics, for example, if you hate it. Rather, talented learners find the subjects that bring them joy and dive into them. Doing this regularly will make you more curious and hungry to learn about other topics that you may not have cared for originally.

These five meta-skills inform nearly every talent and capacity that we exercise in our daily lives. Moreover, they aren’t going to be automated anytime soon. As rapidly as technology is advancing, it’s still a far cry from the curious abilities that millions of years of evolution have gifted us with. Taking advantage of these natural and uniquely human skills is the best way to stay relevant in the changing world.

Link Original: https://bigthink.com/smart-skills/5-meta-skills/#Echobox=1640843426


A desidratação compromete o funcionamento de todo o organismo.

Ingerir líquidos precisa ser um hábito frequente, uma vez que nos desidratamos diariamente através da respiração, do suor, da urina e das fezes. Manter o corpo hidratado ajuda nas atividades das células, na digestão, no funcionamento dos rins, regulação da pressão arterial, na atividade cerebral e na aparência da pele.

A função da água no corpo é transportar e distribuir vitaminas, minerais, glicose, oxigênio e outros nutrientes para as células. Mas, se você não é muito do tipo que gosta bem beber água, existem alimentos, produtos e outras bebidas que ajudam você a se manter melhor hidratado.

A combinação ideal para manter o corpo hidratado é consumir líquidos ricos em eletrólitos e minerais que auxiliam a absorção dos nutrientes pelas células, como cálcio, magnésio, potássio, sódio, manganês, cromo, fósforo e cloro.

Link Original: #essentialnutrition#desidratacao#agua


Frequent cannabis use by young people linked to decline in IQ


A study has found that adolescents who frequently use cannabis may experience a decline in Intelligence Quotient (IQ) over time. The findings of the research provide further insight into the harmful neurological and cognitive effects of frequent cannabis use on young people.

The paper, led by researchers at RCSI University of Medicine and Health Sciences, is published in Psychological Medicine.

The results revealed that there were declines of approximately 2 IQ points over time in those who use cannabis frequently compared to those who didn’t use cannabis. Further analysis suggested that this decline in IQ points was primarily related to reduction in verbal IQ.

The research involved systematic review and statistical analysis on seven longitudinal studies involving 808 young people who used cannabis at least weekly for a minimum of 6 months and 5308 young people who did not use cannabis. In order to be included in the analysis each study had to have a baseline IQ score prior to starting cannabis use and another IQ score at follow-up. The young people were followed up until age 18 on average although one study followed the young people until age 38.

«Previous research tells us that young people who use cannabis frequently have worse outcomes in life than their peers and are at increased risk for serious mental illnesses like schizophrenia. Loss of IQ points early in life could have significant effects on performance in school and college and later employment prospects,» commented senior author on the paper Professor Mary Cannon, Professor of Psychiatric Epidemiology and Youth Mental Health, RCSI.

«Cannabis use during youth is of great concern as the developing brain may be particularly susceptible to harm during this period. The findings of this study help us to further understand this important public health issue,» said Dr Emmet Power, Clinical Research Fellow at RCSI and first author on the study.

The study was carried out by researchers from the Department of Psychiatry, RCSI and Beaumont Hospital, Dublin (Prof Mary Cannon, Dr Emmet Power, Sophie Sabherwal, Dr Colm Healy, Dr Aisling O’Neill and Professor David Cotter).

The research was funded by a YouLead Collaborative Doctoral Award from the Health Research Board (Ireland) and a European Research Council Consolidator Award.

Link Original: https://www.sciencedaily.com/releases/2021/01/210128134755.htm?fbclid=IwAR1Qrhejc9x-9uGRofHtmX8YX4E6qukoS7LIVMK8iwYvcaitU_RVCH4G_xo



Pesquisadora de Harvard dá 7 dicas para criar filhos resilientes

Como criar crianças com um cérebro flexível e, portanto, resiliente? Em um artigo publicado para o site da emissora norte-americana CNBC, a pesquisadora Lisa Feldman Barrett reuniu 7 dicas que podem (e devem) ser adotadas pelos pais no dia a dia dos pequenos.

Segundo especialista, a habilidade está relacionada à capacidade de enfrentar uma situação adversa e se desenvolver a partir dela. Mais do que se adaptar, é conseguir superá-la, encontrando uma nova maneira de viver.

Veja abaixo as sugestões da especialista (Lisa é diretora científica do Center for Law, Brain & Behavior, da Universidade de Harvard, e professora de psicologia da Universidade Northeastern, nos Estados Unidos)

1 – Seja um jardineiro, não um carpinteiro

A ideia aqui não é moldar o cérebro da criança ao gosto do adulto, mas criar um ambiente fértil para que ele possa florescer por conta própria, criando um ambiente saudável para o crescimento dos pequenos em qualquer que seja a direção escolhida.

«Você pode querer que seu filho toque violino no Symphony Hall algum dia, mas forçá-lo a ter aulas (a abordagem do carpinteiro) pode criar um virtuose, ou uma criança que vê a música como uma tarefa desagradável. A abordagem do jardineiro seria espalhar uma variedade de oportunidades musicais pela casa e ver quais delas despertam o interesse de seu filho», diz Lisa.

Depois de entender as aptidões naturais do seu filho, a especialista sugere que os pais «ajustem o solo» para que ele crie raízes e floresça.

2 – Converse e leia para seu filho

Por mais novo que seja o seu filho, e ainda que ele não compreenda o significado das palavras, pesquisas apontam que essa prática cria uma base neural favorável para o aprendizado posterior. Isso também tende a melhorar o vocabulário das crianças e sua compreensão de leitura.

A pesquisadora também defende a importância de ensinar as crianças os nomes das emoções, e o que as provoca. «Fale sobre o que causa emoções e como elas podem afetar alguém: ‘Está vendo aquele menino chorando? Ele está sentindo dor por ter caído e arranhado o joelho. Ele está triste e provavelmente quer um abraço dos pais’. Pense em você como um guia turístico de seus filhos através do misterioso mundo dos humanos e seus movimentos e sons.»

3 – Explique as coisas

Mesmo que pareça cansativo às vezes, responder às perguntas das crianças e explicar o mundo para elas torna as vivências mais previsíveis o que, segundo Lisa, é benéfico. «Os cérebros funcionam com mais eficiência quando prevêem bem.»

Outra dica importante é evitar justificar suas decisões com «porque eu disse e pronto». «As crianças que entendem as razões para se comportar de uma determinada maneira podem regular mais eficazmente suas ações. Esse raciocínio os ajuda a compreender as consequências de suas ações e estimula a empatia», defende.

4 – Descreva os comportamentos, não as pessoas

«Quando seu filho bater na cabeça de sua filha, não o chame de ‘menino mau’. Seja específico: ‘Pare de bater na sua irmã. Isso a machuca e a deixa irritada'», sugere Lisa.

E a mesma regra vale para elogios. «Não chame sua filha de ‘uma boa menina’. Em vez disso, comente sobre as ações dela: ‘Você fez uma boa escolha em não bater em seu irmão de volta.’ Esse tipo de formulação ajudará seu cérebro a construir conceitos mais úteis sobre suas ações e ela mesma.»

5 – Ajude seu filho a imitar você

A melhor forma que uma criança tem para aprender é brincando, observando e imitanndo seus pais. Então, inclua seu filho nas atividades do dia a dia da casa, proporcionando a chance de uma imitação divertida. «Entregue a eles uma vassoura em miniatura, uma pá de jardim ou um cortador de grama de brinquedo e deixe a imitação começar», diz.

6 – Exponha seus filhos ao máximo de pessoas possível

Além daqueles que já fazem parte do convívio rotineiro das crianças (pais, avós, tios e amigos próximos), é importante que os pequenos convivam com o máximo de pessoas possível, para entender a diversidade da sociedade em que vivemos.

«De acordo com pesquisas, bebês que interagem regularmente com falantes de diferentes línguas podem reter conexões cerebrais que os ajudem a aprender outras línguas no futuro. Da mesma forma, bebês que veem muitos rostos diversos podem se conectar para melhor distinguir e lembrar uma variedade maior de rostos mais tarde na vida. Este pode ser o passo antirracismo mais simples que você pode dar como pai», defende Lisa.

7 – Apoie as experiências do seu filho

«Quando seu filho de dois anos joga o cereal no chão e espera que você pegue, ele não está ‘manipulando’ você. Mais provavelmente, ele está aprendendo algo sobre a física da gravidade. Ele também está aprendendo que suas ações afetam o mundo ao seu redor. Então pegue os cereais e deixe-o tentar novamente», diz a especialista.

No entanto, na prática, saber a hora de intervir e de não intervir é um desafio. «Se você está sempre presente, orientando seu filho e cuidando de todas as suas necessidades, ele não aprenderá a fazer as coisas sozinho. Às vezes, deixá-lo lutar cria resiliência e o ajuda a compreender as consequências de suas ações.»

Link Original: https://revistacrescer.globo.com/Educacao-Comportamento/noticia/2020/12/pesquisadora-de-harvard-da-7-dicas-para-criar-filhos-resilientes.html?fbclid=IwAR3N0g_A4hNcOT-97tdUSDWFGv1OnCaeJeYokUHldfQ09fljS-0qM0lOZL0


‘Geração digital’: por que, pela 1ª vez, filhos têm QI inferior ao dos pais

A Fábrica de Cretinos Digitais. Este é o título do último livro do neurocientista francês Michel Desmurget, diretor de pesquisa do Instituto Nacional de Saúde da França, em que apresenta, com dados concretos e de forma conclusiva, como os dispositivos digitais estão afetando seriamente — e para o mal — o desenvolvimento neural de crianças e jovens.

Leer Más

Common class of drugs linked to increased risk of Alzheimer’s disease

A team of scientists, led by researchers at University of California San Diego School of Medicine, report that a class of drugs used for a broad array of conditions, from allergies and colds to hypertension and urinary incontinence, may be associated with an increased risk of cognitive decline, particularly in older adults at greater risk for Alzheimer’s disease (AD).

Leer Más


95% of U.S. baby foods contain toxic metals. Here’s what parents should know.

«On the spectrum from worry to action, parents can choose to act,» a new report states.

  • A new investigation tested 168 baby food products for arsenic, lead, cadmium and mercury, all of which are toxic metals that can damage brain development in infants.
  • Nearly all of the foods tested contained at least one of the metals, and 1 in 4 contained all four metals.
  • The authors of the report recommended five steps for finding alternative baby foods with less toxins.

Almost all of the baby food products tested in a new investigation contained traces of toxic heavy metals that can damage brain development in infants.

Leer Más