Seu corpo é uma rede elétrica

 

 

 

 

 

Por Dr. Mercola

As mitocôndrias são estruturas pequenas e especializadas, que geram energia dentro das células. Elas atuam transferindo elétrons de gorduras e açúcares para o oxigênio no processo de geração de ATP (adenosina trifosfato), que é a “moeda” energética das suas células.

As mitocôndrias são únicas no sentido de que têm seu próprio código genético, em grande parte, para proteínas exclusivas de sua cadeia de transporte de elétrons (diferente do DNA nuclear), se dividem e replicam em seu próprio ritmo (diferente das células) e têm duas membranas — uma interna e outra externa — que são usadas para a produção da ATP.

As membranas permitem que as mitocôndrias armazenem energia, como se fossem uma bateria, e a utilizem na fosforilação oxidativa, processo usado pelas mitocôndrias para gerar energia na forma de ATP.

Em 2015, pesquisadores do Instituto Nacional de Saúde em Bethesda, Maryland, revelaram que as mitocôndrias não usam a energia armazenada apenas para a criar ATP, mas também como principal fonte de energia. Na verdade, o estudo revelou que essa pode ser “a via dominante da distribuição de energia musculoesquelética”.

A descoberta, por sua vez, levou os pesquisadores a suspeitar de que as mitocôndrias formassem um tipo de “rede elétrica” dentro das células — descoberta confirmada por eles num estudo de 2017, publicado no periódico Cell Reports.

A “rede elétrica” mitocondrial tem circuit breakers integrados

As mitocôndrias existem numa rede interconectada, que lhes permite se comunicar e distribuir energia rapidamente através das células do corpo. A desvantagem disso, conforme observam os pesquisadores, é que “essa conectividade coloca o sistema de conversão de energia em risco, pois elementos danificados podem sabotar toda a rede”.

No entanto, existe um mecanismo à prova de falhas contra isso, pois dentro do coração e do músculo esquelético, existe uma “rede” mitocondrial que inclui sub-redes menores. Se parte da rede deixar de funcionar, existe um mecanismo que age como um circuit breaker, cortando as seções defeituosas do restante da rede, para que esta continue funcionando.

Para revelar a descoberta, os pesquisadores estudaram imagens 3D e usaram sondas ativadas por luz para examinar o músculo cardíaco e as células musculoesqueléticas de ratos, revelando que as junções inter-mitocondriais, que conectam as mitocôndrias, também podem cortar rapidamente as mitocôndrias defeituosas, preservando a integridade da rede elétrica como um todo. Eles explicaram:

“Tanto nas sub-redes cardíacas quanto nas musculoesqueléticas, ocorre uma rápida separação elétrica e física das mitocôndrias em mal-funcionamento, de forma consistente com a desvinculação das junções inter-mitocondriais e da retração de mitocôndrias alongadas em estrutura condensadas.

As sub-redes mitocondriais regionais limitam o impacto celular de disfunções locais enquanto a desconexão dinâmica das mitocôndrias danificadas permite que as demais retomem o funcionamento normal em questão de segundos”.

Novas vias para tratar a disfunção mitocondrial

O estudo abre caminho para uma maior compreensão das doenças cardíacas e mitocondriais, e destaca a crescente importância da medicina bioenergética, que opera sob a premissa de que a manipulação dos fluxos bioenergéticos do corpo possa afetar a saúde positivamente.

Conforme os pesquisadores escrevem no Jornal Britânico de Farmacologia, as vias do metabolismo energético no corpo estão interconectadas, o que significa que manipular o fluxo bioenergético causará alterações nos demais, e isso pode ser bom. Os pesquisadores prosseguem:

“Intervenções baseadas na medicina bioenergética já existem para algumas doenças e, como as intervenções da medicina bioenergética são atualmente viáveis, novas abordagens para tratar certas condições, incluindo algumas neurodegenerativas e cânceres, começam a transitar do laboratório para a clínica.”

Mas o que isso tem a ver com as mitocôndrias? Como você deve imaginar, a disfunção mitocondrial geralmente ocorre em conjunto com a disfunção bioenergética, sendo a segunda causada pela primeira. Como a revisão do Jornal Britânico de Farmacologia coloca, a maioria dos fluxos bioenergéticos ocorre dentro das mitocôndrias, e, portanto, as manipulações geralmente afetam as mitocôndrias, abrindo novos caminhos para o tratamento da doença:

“Cada vez mais dados indicam ser possível manipular as mitocôndrias indiretamente ou mitigar o impacto da insuficiência mitocondrial, por meio da manipulação da vias bioenergéticas que jazem externamente às mitocôndrias ou pela vias que as atravessam, em etapas externas às próprias mitocôndrias.

Essa estratégia geral factível também impacta os parâmetros bioenergéticos não mitocondriais, bem como a expressão de genes que monitoram e respondem ao estado bioenergético geral das células. Esses efeitos podem afetar fundamentalmente a saúde e viabilidade das células”.

Muitos tipos de câncer estão relacionados à saúde mitocondrial

A saúde das mitocôndrias desempenha um papel crucial em muitas doenças crônicas, incluindo câncer. O câncer é uma doença metabólica, não genética. As mutações genéticas observadas em alguns tipos de câncer são um efeito decorrente do metabolismo energético defeituoso nas mitocôndrias.

Isso foi mencionado pela primeira vez pelo Dr. Otto Warburg, que recebeu o Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina em 1931 pela descoberta do metabolismo de células malignas. O Efeito de Warburg afirma que as células cancerosas sofrem alteração de seu metabolismo, consumindo grandes quantidades de glicose e metabolizando-a sem oxigênio.

Warburg descobriu que o câncer é, na verdade, causado por um defeito no metabolismo da energia celular, principalmente com relação à função mitocondrial. As mitocôndrias não eram bem compreendidas no tempo de Warburg, mas hoje temos uma compreensão muito melhor de como elas funcionam.

Essa informação é um ponto de inflexão que abre as portas não apenas para o tratamento do câncer como de muitas outras doenças, pois no âmago da maior parte dos males graves, reside a disfunção mitocondrial. Thomas Seyfried, Ph.D, professor de biologia no Boston College, é um dos pioneiros na aplicação da cetose nutricional contra o câncer — uma terapia derivada do trabalho de Warburg.

Se as mitocôndrias defeituosas são responsáveis pela origem do câncer, e o metabolismo defeituoso da energia é responsável por maior parte dos fenótipos, isto é, das características observáveis da doença, então como tratar e prevenir doenças? Tornando-se um eficiente queimador de gordura para otimizar a saúde mitocondrial.

Como usar sua alimentação para melhorar a saúde das mitocôndrias

As mitocôndrias têm uma série de cadeias de transporte de elétrons, através das quais transmitem elétrons da forma reduzida dos alimentos que você ingere, para então combiná-los com o oxigênio do ar que você respira, formando água.

Esse processo conduz os prótons através da membrana mitocondrial, que recarrega a ATP. No entanto, o processo também produz bioprodutos, como espécies reativas de oxigênio (ROS), que danificam as células e o DNA mitocondrial, sendo então transferidos para o DNA nuclear.

Seu corpo também envelhece a partir dos aspectos prejudiciais do excesso de ROS, e é por isso que a velocidade com que seu corpo envelhece depende, em grande parte, do funcionamento de suas mitocôndrias e do dano que pode ser minimizado pela otimização da sua dieta.

Para melhorar a função mitocondrial através da alimentação, a solução é comer de tal forma que seu corpo seja capaz de queimar gordura como seu principal combustível, em vez de açúcares. A dieta cetogênica — rica em gorduras saudáveis, com quantidades adequadas de proteína e pouco teor de carboidratos líquidos (total de carboidratos menos fibras) — é muito eficaz para isso, tanto quanto o jejum intermitente.

Quando seu corpo é capaz de queimar gordura como combustível, seu fígado cria gorduras solúveis em água chamadas cetonas, que se queimam com muito mais eficiência do que os carboidratos, criando assim espécies de oxigênio muito menos reativas e radicais livres secundários que podem danificar suas membranas celulares e mitocondriais, proteínas e DNA.

É por isso que a queima eficiente de gorduras é tão importante para a saúde ideal. As cetonas também imitam as propriedades de prolongamento da vida útil da restrição calórica (jejum), o que inclui melhor metabolismo da glicose e redução da inflamação.

Passos simples para a adoção da dieta cetogênica

Para implementar a dieta cetogênica, elimine os alimentos processados e industrializados. Priorize os alimentos de verdade, repletos de gorduras saudáveis, e o mínimo possível de carboidratos líquidos. Isso geralmente envolve a redução drástica ou eliminação temporária de todos os cereais e qualquer alimento com alto teor de açúcar, em especial a frutose, mas também a galactose (encontrada no leite) e outros açúcares — quer adicionados ou naturalmente presentes nos alimentos.

Como regra geral, reduza os carboidratos líquidos para entre 20 e 50 gramas por dia ou menos, e restrinja a proteína para 1 grama por Kg de massa magra. Para garantir que você esteja realmente atendendo às suas necessidades nutricionais e mantendo as taxas ideais de nutrientes, uma ferramenta como o monitorador de nutrientes http://www.cronometer.com/mercola pode ser inestimável. Assim como meu plano nutricional, esse monitorador de nutrientes é completamente gratuito.

Ele está configurado para a cetose nutricional. Portanto, com base nos parâmetros básicos que você inserir, como altura, peso, percentual de gordura corporal e circunferência abdominal, ele calcula automaticamente as proporções ideais de carboidratos líquidos, proteínas e gorduras saudáveis (incluindo sua proporção de ômega-3 para ômega-6) para que você possa entrar em cetose nutricional, permitindo que seu corpo comece a queimar gordura em vez de açúcar como seu principal combustível e otimizando sua função mitocondrial.

Quando conseguir queimar gordura como combustível, o melhor a fazer é sair e reentrar no ciclo de cetose e consumir de 100 a 150 gramas de carboidratos saudáveis, pois a cetose contínua não é saudável. O horário de suas refeições também é importante, em especial, a última refeição, que deve ser feita pelo menos três horas antes de dormir, pois o sono é o seu estado mais metabolicamente reduzido.

Como seu corpo usa a menor quantidade de calorias quando dorme, evite comer perto da hora de dormir, pois a adição de combustível em excesso gerará radicais livres em excesso, os quais danificam os tecidos, aceleram o envelhecimento e contribuem para doenças crônicas. Por isso, sempre sugiro limitar sua alimentação ao café da manhã e almoço — uma estratégia de “pico de jejum” que lhe permite jejuar por 16 horas ou mais por dia.

O que mais promove a saúde mitocondrial?

Se quiser diminuir suas taxas de doença crônica e envelhecimento, é interessante melhorar sua saúde mitocondrial. Além das mudanças alimentares descritas acima, exercitar-se, incluindo movimentação quase constante ao longo do dia (evitando períodos prolongados sentado) também é importante.

Quando se exercita, o corpo responde criando mais mitocôndrias (biogênese mitocondrial) para acompanhar a maior necessidade energética. O exercício também estimula a autofagia, ajudando a remover as mitocôndrias danificadas. Em suma, o exercício não apenas ajuda a melhorar a função das mitocôndrias como também aumenta sua contagem.

Em termos de nutrição, Rhonda Patrick, Ph.D., uma cientista biomédica e pesquisadora do Instituto Salk de Ciências Biológicas em La Jolla, Califórnia, enfatiza a importância dos seguintes nutrientes, que são importantes co-fatores necessários para o funcionamento correto das enzimas mitocondriais:

A luz do sol na pele fornece luz vermelha e quase infravermelha, que nutre a citocromo c oxidase em suas mitocôndrias, aumentando a produção de ATP. A L-Carnitina transporta ácidos graxos para as mitocôndrias.
Evite segurar seu celular a menos de meio metro da cabeça, pois os altos níveis de radiação de micro-ondas envenenam as mitocôndrias, aumentando a produção de peroxinitrato. Magnésio
Ácidos graxos ômega-3 Todas as vitaminas do complexo B, incluindo riboflavina, tiamina e B6.
Ácido alfa-lipóico CoQ10 ou ubiquinol (forma reduzida)

Evitar toxinas ambientais como o glifosato, o ingrediente ativo do herbicida Roundup, também é importante para proteger suas mitocôndrias. O glifosato impede a absorção de manganês — um mineral de vital importância para proteger as mitocôndrias do dano oxidativo. Também se descobriu que o Roundup interfere na produção de ATP, afetando as membranas mitocondriais.

Sabendo da importância da saúde mitocondrial, torna-se ainda mais intrigante que elas existam em uma rede de energia com mecanismos de segurança integrados, permitindo que as mitocôndrias defeituosas sejam cortadas, preservando a função das demais. Ao adotar estratégias alimentares para a queima de gordura como seu principal combustível, você pode reduzir o dano mitocondrial em geral, melhorando significativamente sua saúde.

Link Original:https://portuguese.mercola.com/sites/articles/archive/2019/05/01/rede-eletrica-mitocondrial.aspx?utm_source=facebook.com&utm_medium=referral&utm_content=facebookmercolaport_ranart&utm_campaign=7132019_rede-eletrica-mitocondrial&fbclid=IwAR1O3nc0TBZlsHx0kveQJAOsmy1Q60vayeq5YI7_rH6RdA88ih4g5hok0w4

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión /  Cambiar )

Google photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google. Cerrar sesión /  Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión /  Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión /  Cambiar )

Conectando a %s